CHIANG RAI

A cidade onde localiza-se o mais belo templo tailandês. Apesar da inegável associação com o incrível Templo Branco (marcado por simbologia contemporânea e não religiosa), Chiang Rai oferece mais opções para aproveitar caso deseje um dia mais tranquilo na Tailândia!

Localizada a poucos quilômetros (viagem de ônibus que dura cerca de 1h) da região conhecida como Triângulo Dourado, onde o o Laos,  Myanmar, e a Tailândia se encontram com o Rio Mekong, Chiang Rai pode ser rapidamente explorada conforme informações abaixo.

Assim como em Bangkok, o clima em Chiang Rai segue as características gerais dos demais países do Sudeste Asiático, com a estação seca compreendida entre novembro e o início de maio. Se puder escolher, prefira os meses de novembro a fevereiro, com brisas e tempo mais ameno. Para saber mais, acesse o nosso post sobre O QUE SABER ANTES DE IR PARA ÁSIA.

DICA: No mês de novembro, acontece o festival de luzes de Chiang Mai. Na ocasião, inúmeros balões brancos iluminados com velas em seu interior são soltos em direção ao céu simultaneamente, formando um impressionante cenário.

QUANTO TEMPO FICAR

Se você tem pouco tempo, é possível fazer a cidade em um dia.

COMO CHEGAR

Chiang Rai conta com um aeroporto internacional, e você encontra muitas opções de voos  considerando a saída de Chiang Mai ou de Bangkok.

A partir da capital tailandesa, o voo dura apenas 1h.

Caso você deseje ficar mais tempo no norte da Tailândia, o ideal é conciliar a cidade do Templo Branco com sua vizinha mais famosa e com mais atrações: Chiang Mai.

A partir de Chiang Mai, há várias empresas de turismo, ônibus regulares e tuk-tuks que fazem o trajeto a Chiang Rai, perfazendo uma distância de aproximadamente 180 km.

VISTO

Assim como em todo o território tailandês, o visto não é necessário para viajar a Chiang Rai.

FUSO HORÁRIO

10 horas a mais em relação ao horário de Brasília  (GMT +7).

MOEDA

Baht (para conversão, acessar o link do Banco Central)

HOSPEDAGEM

De acordo com o site Booking, alguns dos hotéis com melhores pontuações (preço variável entre R$ 60,00 e R$ 170,00 a diária) são:

Além dessas, há outras alternativas para pernoitar na cidade, acessíveis através dos sites Airbnb (aluguel de apartamentos/quartos) e Trivago (mapeamento de hospedagens promocionais, a partir de domínios especializados no tema).

DESLOCAMENTO DENTRO DA CIDADE

Há táxis  e tuk-tuks desde o aeroporto e facilmente localizados em toda a Chiang Rai. O valor das corridas é baixo. No tocante aos táxis, peça o taxímetro ligado.

É possível, ainda, alugar carro em diferentes estabelecimentos, mas, em virtude da longa distância entre o aeroporto e as atrações da cidade, é preferível que a locação do veículo ocorra após o pouso do seu voo.

Há ônibus na cidade, porém, de má qualidade e baixa frequência.

CULINÁRIA LOCAL

Predomina a comida típica tailandesa, com bons restaurantes servindo Pad Thai –um talharim de arroz frito com camarões, tofu e ovos –  e Tom Yum – sopa de peixe ácida e picante- a preços baixos (destaque para as lanchonetes e restaurantes na galeria próxima ao Templo Branco). Confira mais no nosso post da TAILÂNDIA – BANGKOK e O QUE SABER ANTES DE IR PARA ÁSIA.

Não há muitas opções de redes de fast food.

SOBRE O TEMPLO BRANCO

Como mencionado anteriormente, o templo Wat Rong Khun destaca-se entre tantos outros da Tailândia pelo fato de fazer alusão a ícones pagãos modernos (Michael Jackson, Tartarugas Ninja, Batman, entre outros), sem inspiração exclusivamente budista/religiosa. Foi idealizado e continua sendo executado pelo artista contemporâneo da região, Chalermchai Kositpipat.

O templo é um manifesto de concreto referente à cultura ocidental, com referências ao inferno, aos pedidos de salvação dos desesperados no purgatório (impressionante escultura de mãos e crânios enlameados ao redor da ponte de acesso ao paraíso) e o céu simbolizado pelo altar no interior do templo.

Curiosidade: as belas imagens do templo disfarçam a realidade de sua localização. Situado em um quarteirão no meio da cidade, delimitado por residências e comércio e por uma avenida muito movimentada por todos os tipos de veículos e pessoas. A exuberância deste ponto turístico encravado na rotina de uma cidade simples foi uma intenção muito interessante de seu criador.

O QUE CONHECER

Fora o templo branco:

IMG_1111

SINGHA PARK – CHIANG RAI, TAILÂNDIA

1-Singha Parque (extensa área verde, com uma enorme escultura de um dragão dourado na entrada; lagos; montanhas; tudo acessível através de um passeio de trenzinho ou por bicicleta);

2-Triângulo dourado (a 1h de ônibus do terminal rodoviário de Chiang Rai);

3- Bazar Noturno (Night Market);

4- Torre do Relógio;

5- Museu Oub Kham.

DICAS
  • Roupas adequadas para ingresso no templo (roupas leves, mas respeitosas; recomenda-se o uso de calça e camiseta sem decote).
  • A entrada no Templo Branco é gratuita.
NOSSA EXPERIÊNCIA

Chegamos de Bangkok em voo direto, às 9h pela companhia Air Asia. De lá, fomos de táxi até o Templo Branco. Adoramos! Muito bonito, diferente e fotogênico. Passar algumas horas procurando as referências de artistas/personagens conhecidos e não imaginados em um templo é muito divertido.

Os jardins e estruturas ao redor do edifício principal merecem também muito elogios. Interessante também o banheiro dourado.

Em seguida, fomos de táxi até o Singha Park. Tiramos fotos da escultura do dragão e dos jardins de entrada do parque, enquanto aguardávamos o horário de saída de nosso trenzinho turístico.

No dia em que fomos, tivemos a maravilhosa coincidência de acompanhar a abertura da etapa do campeonato mundial de balonismo. Muito lindo! Todos eles, de diferentes estilos e formatos, sobrevoando as árvores e os lagos da reserva, com montanhas ao fundo.

Voltamos de táxi direto ao aeroporto. A corrida foi barata e com o taxímetro ligado.

Esperamos algumas horas no portão de embarque em virtude do longo atraso da companhia Air Asia. Evite-a! Procure outras opções, ainda que um pouco mais caras.

Caso tenha tempo livre no seu roteiro pela Tailândia (sobretudo, se passar alguns dias em Chiang Mai), não deixe de visitar o Templo Branco da simpática Chiang Rai.

<

SEGURO VIAGEM

Para viajar tranquilo, só curtindo as paisagens e desfrutando de todos os pontos turísticos e passeios, recomendamos o conforto (a preços justos) do seguro viagem pela empresa Real Seguro. Ela indica a seguradora mais confiável e adequada – muitas vezes a mais barata – para a cobertura dos sinistros que você quer evitar. Confira!

 

IMG_0988

TEMPLO BRANCO – CHIANG RAI

DSC08570

TEMPLO BRANCO – CHIANG RAI

DSC08657

CHIANG RAI

IMG_1176

FESTIVAL DE BALÕES – CHIANG RAI

IMG_1251

FESTIVAL DE BALÕES – CHIANG RAI

DSC08602

FESTIVAL DE BALÕES – CHIANG RAI

⇒Gostou do blog? Clique AQUI e siga nossa fanpage do facebook!

9 comentários sobre “CHIANG RAI

    • conhecendolugaresblog disse:

      Primeiramente, ficamos muito felizes com os elogios, Herculano. Realmente, o lugar é incrível. Quanto a ser o único no mundo de fachada branca, o templo de Chiang Rai não é.

      O Parthenon, apesar de possuir características e estilo diferentes do mencionado no post, foi construído em mármore branco pentélico. O templo Gangotri, na região do Garhwal Himalaia (Índia) é um templo hindu também de cor branca.

      Há, ainda, mesquitas e edificações católicas e evangélicas consideradas templos de cor branca. Além deles, também merece citação o templ O templo Wat Rong Khun, de Chiang Rai, é o único inteiramente branco com traços budistas que localizamos através de pesquisas.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s