AGRA

A cidade onde fica a mais bela das Novas Sete Maravilhas do Mundo, na nossa opinião, justifica a viagem até a Índia.

O enorme mausoléu de mármore branco com pedras preciosas, cercada por espelhos d’água, belos jardins e ladeado por incríveis portões faz do Taj Mahal um monumento praticamente obrigatório para quem pretende conhecer os símbolos mundiais mais famosos.

A boa surpresa é que Agra conta ainda com um lindo e histórico Forte, lojas que vendem tecidos artesanais e objetos feitos com minérios exclusivos. Mas prepare-se para encarar cenários de uma pobreza incomparável, que colocaram a cidade no ranking da mais contrastante entre as que já visitamos.

Confira abaixo algumas informações úteis para você traçar seu roteiro até lá.

IMG_20180129_075256210.jpg

TAJ MAHAL (“A COROA DO PALÁCIO”, NA LÍNGUA LOCAL) – AGRA, ÍNDIA

COMO CHEGAR

O aeroporto internacional mais próximo de Agra é o Indira Gandhi, que fica na região metropolitana de Delhi, a capital e maior cidade da Índia, a 230 km de distância.

Não há voos diretos do Brasil até lá. É necessário fazer conexão em alguma cidade hub no meio do caminho: Dubai (voos que duram entre 3h10 e 3h50), Paris (duração aproximada: 8h), Londres (duração aproximada: 8h20), Amsterdã (duração aproximada: 7h55), Frankfurt (duração aproximada: 6h45), Zurique (duração aproximada: 7h35), Istambul (duração aproximada: 5h50), Adis Abeba/Etiópia (duração aproximada: 6h30). Sem contar a infinidade de opções de saída a partir da China e dos países do sudeste asiático (Tailândia, Singapura, Malásia, etc).

Algumas companhias aéreas que operam voos diretos até Delhi são: spiceJet, FlyDubai, IndiGo, Jet Airways, Air India, Hahn Air, Emirates, Air France, Turkish Airlines, Ethiopian Airlines, British Airways, Virgin Atlantic, KLM, Lufthansa, Swiss.

De Delhi até Agra você pode escolher entre ir de trem, de carro alugado ou por uma empresa de transfer.

IMG_20180129_065437775.jpg

DARWAZA (PORTAL DE ACESSO PRINCIPAL AO TAJ MAHAL) – AGRA, ÍNDIA

Trem – a passagem é bem barata, mas você dividirá espaço com muita gente, os riscos de descarrilamento são bem maiores do que nos trens europeus, e as condições de higiene são ruins (baratas e ratos são companhia em alguns trens).

Se for sua escolha, compre a passagem com bastante antecedência (cerca de 120 a 90 dias antes) pelo site oficial do governo (IRTC Indian Railways) e siga o tutorial do site Seat 61, para driblar a obrigatoriedade de fornecer um número de celular indiano. Outra maneira para tirar suas dúvidas para a reserva e compra da passagem de trem pela internet é enviando um e-mail para care@irctc.co.in. Na hora de reservar, selecione assentos da classe AC1, AC2 ou AC3 (são mais confortáveis e ficam em cabines com ar-condicionado).

Os trens costumam sair da New Delhi Railway Station (NDLS), que fica ao norte do bairro de Connaught Place (moderno e cheio de hotéis), e é acessível pela linha laranja/Airport Line e pela linha amarela/ Yellow Line do metrô (estação New Delhi).

Caso você tenha ainda mais dúvidas, peça ajuda a seu hotel em Delhi ou deixe seu recado nos comentários abaixo ou nos encaminhe um e-mail, que faremos o possível para ajudar.

IMG_20180129_081320480 (1).jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

Carro alugado – maneira menos indicada, já que o trânsito por dentro de Nova Delhi é internacionalmente famoso como um dos mais caóticos e congestionados do mundo, além de a condução ser feita pela mão inglesa (volante no assento dianteiro direito, ultrapassagens feitas pela direita).

Mesmo com essas ressalvas, se preferir essa aventura, indicamos a locação antecipada pelo site da Rentcars.

Para facilitar sua condução, alugue um carro com câmbio automático, baixe o Google Maps e o aplicativo Waze ou similar (Drive Awake/Fuelio/Econoflex/Car Dashdroid) leve um GPS e mapa físico com as estradas detalhadas.

A melhor estrada entre Delhi e Agra é a Express Highway (pedagiada), com asfalto impecável, postos de gasolina e lojas de conveniência estratégicas e sinalização perfeita nos seus 220 km (pouco mais de 3 horas de deslocamento).

20180129_033712.jpg

MESQUITA/MASJID AO LADO DO TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

Transfer (carro com motorista) – a forma mais confortável e segura para chegar em Agra saindo da capital. São inúmeras as empresas que fornecem esse serviço de bate-volta (vários hotéis em Delhi oferecem essa excursão).

Após muita pesquisa feita, escolhemos a Samar Tours. Recomendamos fortemente que faça esse passeio com ela. O motorista (Mahendra) e o guia (Ajay; whatsapp: +919027792159) são excelentes, pontuais, tiram todas as dúvidas e passam todas as informações com educação e gentileza, sem pedir gorjeta nem tentando aplicar golpes, com a comodidade de você marcar o horário de início e quanto tempo ficar nas atrações de Agra, além de estarem sempre disponíveis no whatsapp, respondendo rapidamente a qualquer mudança de itinerário que você queira fazer.

Além disso, o preço é melhor que muitas empresas concorrentes: 80 dólares por pessoa ou 5400 rúpias, aproximadamente (o ingresso no Taj Mahal e no Forte de Agra são pagos à parte e tão somente em rúpias). Gostamos demais.

*OBS: Há um aeroporto pertinho de Agra (Pandit Deen Dayal Upadhyay). Ele não opera voos internacionais, tampouco voos diretos saindo de Delhi. Mas se você estiver em Varanasi, há alguns voos sem conexões até a cidade do Taj Mahal. Consulte no Skyscanner se, na época da sua viagem, essa alternativa está disponível.

20180129_054703.jpg

ENTRANDO NO FORTE DE AGRA – ÍNDIA

QUANDO IR

Entre novembro e maio. Esse é o período mais seco na Índia e você evita ter sua viagem estragada pelas tempestades do período das monções.

Os melhores meses da época de estiagem são novembro, abril e maio, quando a temperatura fica na média de 20ºC em novembro e de 30ºC em abril, e a neblina tende a ser menor que no auge do inverno, o que dá maior visibilidade no nascer e por do sol no Taj Mahal.

VISTO

É obrigatório o visto para a entrada em território indiano. Ele só é carimbado no posto de imigração da Índia, desde que você leve um passaporte com validade de 6 meses (a contar da sua saída) e uma carteira de vacinação internacional que comprove ter tomado vacina contra a febre amarela há mais de 10 dias e menos de 10 anos.

Todavia, para conseguir o carimbo do visto é necessário levar uma autorização que pode ser paga e obtida 1) presencialmente junto à Embaixada da Índia em Brasília (endereço: SES 805, lote 24, Asa Sul, CEP 70452-901, Brasília-DF | Telefone: +55 (61) 3248-4006 / horário de atendimento 14:00 às 17:00) OU 2) de forma eletrônica (e-VISA).

IMG_20180129_075912160

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

O visto eletrônico só é admitido para quem pretende ficar na Índia por até 60 dias e chega por um dos seguintes aeroportos: Delhi, Mumbai, Chennai, Kolkata, Trivandrum, Bangalore, Hyderabad, Cochin, Goa, Ahmedabad, Amritsar, Gaya, Jaipur, Lucknow, Trichy, Varanasi, Calicut, Mangalore, Pune, Nagpur, Coimbatore, Bagdogra, Guwahati, Chandigarh. O e-VISA pode ser solicitado entre 120 e 4 dias de antecedência da chegada à Índia (prefira solicitá-lo o quanto antes para evitar contratempos), e você tem acesso ao respectivo formulário de pedido neste link. (basta clicar na aba “e-Visa Application”, no canto esquerdo).

IMG_20180129_065458201.jpg

DARWAZA (PORTAL PRINCIPAL DE ACESSO AO TAJ MAHAL) – AGRA, ÍNDIA

Se preferir fazer este tipo de visto (eletrônico), você terá que fazer o upload de uma foto recente e frontal do rosto, com fundo branco (formato JPEG e entre 10KB e 1MB, com altura e largura iguais), além do upload das páginas do passaporte com seu nome, foto e dados pessoais (formato PDF, com tamanho entre 10KB e 300KB). Após preencher todas as informações pessoais do formulário eletrônico (entre elas, se você já viajou para algum país da comunidade SAARC: Maldivas, Butão, Sri Lanka, Afeganistão, Bangladesh, Paquistão, Nepal) e anexar essas fotos (informe o endereço e telefone de sua hospedagem), você terá que pagar a taxa (cerca de 60 dólares, não reembolsáveis), além dos encargos do cartão de crédito/débito (aproximadamente 2,5% do valor pago).

Tomadas essas providências, sua solicitação será aprovada e você receberá o ETA (Autorização Eletrônica de Viagem) por e-mail – acompanhe em que etapa a análise de seu formulário está na aba Visa Status (você terá que informar o número ID, gerado durante o preenchimento do formulário, e o número do seu passaporte). Leve esse comprovante e o entregue às autoridades competentes do aeroporto de chegada.

Leve a autorização ETA impressa + o passaporte com validade de 6 meses (a contar da data da saída) + fotos. Somente apresentando isso em mãos no guichê de imigração do aeroporto de chegada você receberá o carimbo do visto.

Esse é um passo a passo resumido. Para mais informações, consulte o site da Embaixada da Índia ou encaminhe um e-mail para apply@etv-india.online.

20180129_072420.jpg

NÃO SÓ DE MÁRMORE BRANCO E ARENITO VERMELHO QUE AGRA É FEITA

FUSO HORÁRIO

GMT +5:30. Isso significa que são 8 horas e 30 minutos à frente do horário brasileiro predominante. Assim por exemplo, quando o relógio marca 9h da manhã em Brasília, são 17h30 em Agra.

MOEDA

Rúpia indiana (INR). Para ter uma estimativa da cotação, confira o link do conversor monetário do Banco Central do Brasil.

IMG_20180129_080354501.jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

Leve seu cartão de crédito habilitado para uso internacional e saque suas rúpias diretamente em algum caixa eletrônico do aeroporto. Essa é a melhor forma, já que você não paga as comissões cobradas das casas de câmbio.  No entanto, se preferir, leve dólares ou euros para trocar nas casas de câmbio do aeroporto (estivemos no aeroporto de Delhi e de Kochi, e ambos são modernos e com serviços confiáveis) ou no seu hotel.

Se você pretende passar um tempo em Delhi antes de visitar Agra, a concentração de casas de câmbio fica em Connaught Place, próximo aos prédios públicos e hotéis mais sofisticados da capital. Em Agra, os bancos e casas de câmbios concentram-se na Fatehabad Road e na Taj Road.

Aconselhamos que tenha 50 dólares em rúpias diariamente por pessoa. Isso é muito dinheiro por lá, o que vai permitir a você fazer ótimas refeições e compras, além de entrar nas atrações pagas.

IMG_20180129_083311795.jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

IDIOMA

Indiano, mas o inglês é falado por todos (embora com um sotaque bem forte e diferente do que costumamos ouvir e praticar), em virtude da colonização. Comunicação não é problema nas cidades turísticas da Índia.

QUANTO TEMPO FICAR

1 dia é suficiente para conhecer as principais atrações de Agra. A cidade é impressionantemente pobre e bagunçada, com o Taj Mahal e o Forte de Agra como oásis espetaculares por lá. Há vários hotéis de redes famosas na cidade, mas é desnecessário dormir nela se você chega cedo.

Quem procura retiro espiritual na Índia não encontra tantas atrações para meditar em Agra (como em Varanasi, Rishikesh, Calcutá, Jaipur). Quem só viaja para Índia para ver o Taj Mahal, consegue atender a vontade ao longo de um dia. Assim, qualquer que seja seu perfil de viajante, você ficará satisfeito com a visita a Agra pela duração acima citada.

20180129_032808.jpg

DETALHES DO TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

COMO SAIR DO AEROPORTO

Levando em consideração que seu aeroporto de chegada na Índia é o de Delhi, você pode ir até o centro da cidade ou o bairro de concentração de hotéis por transfer fornecido pelo hotel, por trem+metrô, por Uber/táxi ou rickshaw ou tuk tuk (uma espécie de moto com bancos traseiros cobertos em uma carroceria anexada).

Procure contratar o traslado/transfer com o hotel ou chame o Uber (compre um chip SIM para ter acesso a Internet a qualquer hora na cidade, já que o aplicativo Uber só funciona com o aparelho on-line). Essas são as maneiras mais confortáveis e seguras para levar suas malas e não sofrer algum eventual golpe. Tenha em mente que o custo desses tipos de deslocamento é muito mais barato do que contratado em outras grandes cidades do mundo (preço da corrida entre o aeroporto e o centro custa entre 350 e 400 rúpias de táxi; 250 a 300 rúpias de Uber).

Se você quer chegar mais rápido no centro, evitando o trânsito enorme e constante, vá de trem+metrô. Há uma linha específica que sai do Terminal 3 do aeroporto (estação I.G.I Airport), chamada Airport Express ou Airport Line. Ela leva até a estação Shivaji Stadium (pertinho dos hotéis e monumentos do bairro Connaught Place) e até a estação de trem New Delhi (NDLS, de onde saem trens para Agra). O custo da passagem avulsa do metrô não chega a 1 dólar. Você paga ao funcionário, recebe uma ficha colorida/token, entra no trem+metrô (há vagão exclusivo para mulheres) e deposita o token na catraca de saída. Recomendamos esse tipo de transporte para quem viaja em grupo, para casais desencanados ou para homens que vão sozinhos. Infelizmente, mulheres que viajam sós podem sofrer certo assédio ou desconforto (muitas viajaram assim e não relataram qualquer problema, mas eu evitaria diante de tantas alternativas baratas).

20180129_072717.jpg

PAISAGENS DE AGRA – ÍNDIA

Caso queira se aventurar em uma experiência tipicamente indiana, prefira o rickshaw (leia-se riquixá, com capacidade para 2 a 3 passageiros) ao ônibus lotado para sair do aeroporto. Apesar do “taxímetro” existir, ele é pouco utilizado. Por isso, o preço final é acordado antes de você começar o trajeto. Pechinche bastante (um valor entre 200 e 300 rúpias, o equivalente a 10-15 reais, é de bom tamanho). Trata-se de um transporte indicado para as mesmas pessoas que mencionamos no trem+metrô.

Há cooperativas de táxi no saguão de desembarque que aceitam cartão de crédito/débito e cobram um valor tabelado para o trajeto. Evite pegar um taxista avulso já na saída, evite ir de ônibus (apesar de quase gratuito, é lotado, decadente e desconfortável, além de demorado) e evite alugar carro (segue a mão inglesa, com risco de stress alto em virtude das buzinas incessantes e do trânsito infinito).

Para sair do aeroporto de Agra (hipótese menos comum que a anterior e quase exclusiva para quem chega de avião saindo de Varanasi), as opções restringem-se aos transfers acertados com o hotel, táxis, rickshaws e ônibus – nessa ordem de preferência para nós. O custo desses transportes é ainda mais barato que em Delhi e o tempo de deslocamento é consideravelmente menor, já que tem muito menos tráfego nas ruas desta cidade. Não se esqueça de adquirir suas rúpias antes de sair do aeroporto! Dificilmente você vai conseguir pagar um desses transportes até o centro de Agra por cartão de crédito/débito.

20180129_032550.jpg

EDIFÍCIO SECUNDÁRIO NO COMPLEXO DO TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

HOSPEDAGEM

Como dissemos na seção “Quanto tempo ficar”, só consideramos necessário escolher um hotel em Agra se você chegar na cidade no meio ou no final do dia. Se esse for o seu caso, prefira escolher uma hospedagem localizada perto do Taj Mahal (ruas Taj Road, The Mall Road, Fatehabad Road, Agra-Bah Road). A seguir, algumas sugestões bem avaliadas:

  • The Oberoi Amarvilas (cinco estrelas lindíssimos, com restaurantes renomados, quartos luxuosos, piscina, spa e outras comodidades; é o mais caro da lista; nota 9,5 no Booking);
  • Radisson Blu Agra Taj East Gate (cinco estrelas, com restaurantes variados, piscina de borda infinita, wi-fi, spa, hidromassagem; localizado a 1,5km do Taj Mahal; você pode acertar o transfer com o hotel; nota 8,5 no Booking);
  • ITC Mughal (cinco estrelas, com quartos luxuosos, spa, piscina, academia; localizado a 3 km do Taj Mahal; você pode acertar o transfer com o hotel, inclusive pegando você no aeroporto Indira Gandhi, em Delhi, a um custo adicional; nota 8,7 no Booking);
  • The Grand Imperial – Heritage Hotel (quatro estrelas, com fachada colonial, amenidades modernas e amplo jardim; fica a 4,5 km do Taj Mahal; nota 8,1 no Booking);
  • Four Points by Sheraton Agra (cinco estrelas, com restaurante próprio, piscina, quartos elegantes, terraço com vista para o Taj Mahal, que fica a 2 km de distância; você pode acertar o transfer com o hotel; nota 7,9 no Booking);
20180129_074835.jpg

TAJ MAHAL VISTO DO PARQUE MEHTAB BAGH – AGRA, ÍNDIA

  • Optimum Tara Palace @ Taj (três estrelas, com restaurante próprio, quartos limpos, modernos, com ar condicionado, TV; fica a 500m do Taj Mahal e a 5 minutos de carro do Forte de Agra; bom custo-benefício; nota 7,1 no Booking);
  • Taj Niwas (guest house de baixo custo, com quartos privativos, café da manhã continental, wi-fi; fica a 2,5 km do Taj Mahal; nota 8,3 no Booking);
  • Hotel Sidhartha (pousada simples, com quartos limpos com varanda e banheiro privativo e ar condicionado; conta com restaurante próprio; fica a 200m do Taj Mahal e a 1,5km do Forte de Agra; é o mais barato dessa lista; nota 7,6 no Booking).

Para mais alternativas, acesse o Booking, Trivago, Tripadvisor ou acerte os detalhes diretamente com o proprietário no Airbnb.

IMG_20180129_172722519.jpg

INGRESSO DO TAJ MAHAL E DO FORTE DE AGRA

O QUE CONHECER
  • Taj Mahal: o motivo da sua visita a Agra. Um dos monumentos mais famosos do mundo e certamente o mais conhecido da Índia. Uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo. Esse mausoléu perfeitamente simétrico, com influências mogol/mughal, persas e islâmicas, construído entre 1632 e 1653 por 20 mil homens, em homenagem à esposa preferida do Shah Jahan  (que faleceu ao dar à luz seu 14º filho), é tratado como a maior prova de amor do mundo, todo em mármore branco, com inscrições do Alcorão, detalhes em pedras preciosas (lápis-lazúli, jade, detalhes em ouro na cúpula, entre outros).

É ladeado por dois lindos edifícios secundários (um jawab, à direita; e uma mesquita/masjid, à esquerda) e quatro enormes minaretes/torres, erguido às margens do Rio Yamuna (o mesmo que passa por Delhi). A beleza é ainda maior com seus jardins bem preservados e os espelhos d’água que refletem a imagem desse icônico monumento. O acesso principal se dá pelo Darwaza, um enorme portal de cor avermelhada, com decoração floral em baixo-relevo, com paredes e tetos abobados.

IMG_20180129_073940039.jpg

OLHA O TAMANHO DISSO! – TAJ MAHAL, AGRA, ÍNDIA

O acesso se dá por uma longa avenida com várias bancas/tendas de comércio. Você pode completar esse percurso caminhando (prepare-se para encarar muita gente pedindo dinheiro ou insistindo para te vender algo; proteja seus pertences) ou através de um mini-ônibus que sai do estacionamento exterior e não custa sequer 40 rúpias.

No final dessa avenida, você encontrará a recepção do complexo. É lá que você terá que passar por uma fila para pagar sua entrada (custo de cerca de 1000 rúpias (INR) – o equivalente a 15 dólares ou 50 reais, aproximadamente). No nosso caso, o guia do nosso tour comprou nossos ingressos com o dinheiro (em rúpias; não aceitam moeda estrangeira) que entregamos na hora.

IMG_20180129_082456773

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

Você também pode comprar seu ingresso antecipadamente pela Internet. Basta clicar nesse link do site oficial do turismo na Índia e seguir as orientações.

Com o ingresso em mãos, você passará por um detector de metais e uma revista rápida feita pelos seguranças locais. Depois disso, é só desfrutar de toda aquela beleza impressionante – lembrando que o ingresso dá direito ao acesso a todos os edifícios, à entrada ao mausoléu onde ficam os túmulos de Mumtaz Mahal e de Shah Jahan (seu cenotáfio é a única parte assimétrica de todo o complexo). Encontre a localização aqui.

*IMPORTANTE: O Taj Mahal não abre às sextas-feiras.

IMG_20180129_065607965_HDR.jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

  • Forte de Agra: é uma linda cidade-palácio amuralhada, com cor predominantemente avermelhada. Assim como o anterior, é tombado como patrimônio da humanidade pela Unesco. Foi construído em 1080 (bem antes do Taj Mahal) para evitar ataques estrangeiros. Nele que o imperador mogol/mughal Humayun (que tem um belíssimo túmulo em Nova Delhi) foi coroado, em 1517, época em que Agra era a capital do país. Foi lá que o imperador Akbar e seu neto, Shah Jahan, viveram e governaram. Trata-se de mais um ponto turístico incluído na maioria dos day tours das empresas que vão até Agra, como a ótima Samar Tours.

Dentre os destaques desse extenso ponto turístico: Amar Singh (lindo portão de entrada), Jahangiri Mahal (palácio mais importante da área, construído durante o governo de Akbar; tem muitos salões e galerias, alguns sem acesso aos visitantes), Diwan-i-khas (onde a corte e o imperador se reuniam e onde este adorava assistir a brigas de elefantes), Khas Mahal (palácio do imperador, com tetos e paredes ricamente decorados).

O custo da entrada é de 550 rúpias, aproximadamente, pagos antes do portão Amar Singh (não aceitam moeda estrangeira). Não há filas como no Taj Mahal. Confira preços atualizados e horário de funcionamento nesse link oficial. Encontre a localização dessa fortaleza aqui.

IMG_20180129_094444904.jpg

CHEGANDO NO FORTE DE AGRA – ÍNDIA

  • Itmad-ud-Daula: mausoléu apelidado carinhosamente de Mini Taj, o primeiro a ser trabalhado em mármore branco na Índia. Marca a transição de estilo do arenito vermelho até então predominante nos monumentos para as construções em mármore, esculpido através da técnica pietre dure. O custo da entrada é de 110 rúpias. Encontre a localização aqui.
  • Túmulo de Akbar, O Grande: belíssimo mausoléu do imperador mogol/mughal que governou a Índia durante o domínio tártaro, em meados do século XVI. Conta com minaretes, portal de arenito vermelho ricamente decorado e belos jardins (lembra bastante o Darwaza – portal de acesso principal ao Taj Mahal). Fica a 15 km a oeste do centro de Agra, já no distrito de Sikandra. Encontre a localização aqui.
  • Mehtab Bagh: parque com vista para o Taj Mahal, localizado na margem norte do Rio Yamuna. Também é incluído no tour de muitas empresas por Agra, principalmente conhecido no final do dia. Os jardins não estão bem cuidados. Lá você encontra apenas pequenas árvores, plantas, cercas e ruínas de construções, e os arredores do parque são muito sujos. Vale a pena conhecer se você só conseguir ir a Agra na sexta-feira (dia em que a visita ao Taj Mahal não é permitida) e quiser ter uma ideia da beleza do maior símbolo da Índia ou se quiser preencher o tempo, mas não é imperdível (se puder escolher, prefira ir ao Itmad-ud-Daula ou ao Túmulo de Akbar). Custo da entrada fica entre 100 e 200 rúpias. Encontre a localização aqui.
20180129_075148.jpg

PARQUE MEHTAB BAGH – AGRA, ÍNDIA

  • Sadar Bazaar: mercado/feira popular onde são vendidos artesanatos, roupas, calçados, flores e alimentos. Encontre a localização aqui.

Com mais tempo, procure conhecer o Fatehpur Sikri, antiga cidade opulenta (complexo palaciano bem conservado, aberto apenas para visitação, isto é, abandonado para fins governamentais desde poucos anos após sua construção) tombada como patrimônio da humanidade pela Unesco e erguida por ordem do imperador Akbar para servir de apoio a Agra, então capital do império mogol/mughal. Possui harém, portais, amplo pátio interno – tudo construído no estilo indo-islâmico. Fica a pouco mais de 40 km do Taj Mahal. O preço da entrada é aproximadamente de 260 rúpias. Encontre a localização aqui.

IMG_20180129_065144041.jpg

AGRA TEM DISSO (DARWAZA, PORTAL PRINCIPAL DE ENTRADA PARA O TAJ MAHAL)…

20180129_073223.jpg

…E TEM DISSO – ÍNDIA

DESLOCAMENTO DENTRO DA CIDADE

Agra passa muito mais a impressão de pobreza, atraso, péssimas condições de higiene e habitação, e descaso público que Delhi. Assim, o jeito que você vai se locomover na cidade do Taj Mahal depende do estilo de viagem que pretende ter na Índia.

A forma mais confortável é com o carro e motorista do transfer contratado. É um passeio exclusivo, com ar condicionado, guiado por alguém que conhece a cidade e as tradições do país, contando histórias e curiosidades políticas e religiosas, além de tirar todas as suas dúvidas. Mais uma vez, enfatizamos a excelente experiência que tivemos com a Samar Tours.

20180129_080349.jpg

TUK TUK E RICKSHAW SÃO VISTOS EM GRANDE QUANTIDADE EM AGRA – ÍNDIA

Entretanto, se o seu interesse é fazer uma viagem “raiz” pela Índia, vivenciando um pouco os hábitos dos nativos, aconselhamos que caminhe entre o Taj Mahal e o Forte de Agra e pelo centrinho da cidade – ruas Fatebahad Road, The Mall Road, Taj Road e transversais. Proteja seus pertences; guarde seu dinheiro, cartão e documentos em um porta-dólar por dentro da calça ou em uma pochete. No restante dos passeios, siga em um rickshaw ou tuk tuk. Procure ter dinheiro trocado para pagar as corridas e fique atento ao troco. O custo dos deslocamentos é irrisório; dificilmente você terá que pagar 150 ou 200 rúpias para circular em Agra.

Não há necessidade de andar em um dos ônibus entupidos da cidade tampouco em táxis avulsos (os que seu hotel são chamar na recepção são de empresas confiáveis).

Por lá não circulam ônibus turísticos nem metrô.

20180129_032118.jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

CULINÁRIA LOCAL

Comida colorida bastante apimentada, temperada com curry e especiarias (cardamomo, açafrão, canela, anis, noz moscada, manteiga indiana/ghee, pimenta branca, cominho e outros), com ênfase em carne de frango, cordeiro e porco – a carne bovina dificilmente é encontrada nos restaurantes de lá, já que a vaca é um animal sagrado na religião hindu – servida com arroz, ensopados e verduras cozidas.

Os indianos também adoram consumir pastéis Samosa (fritos e recheados com carnes ou lentilha, servidos com molhos de hortelã alho, tamarindo) e pães Naan (com farinha,  fermento e água, algumas vezes recheados com batatas e salpicados com alho e hortelã). Eles bebem muitos chás/chai e Lassi que é feita com água de rosas, iogurte e frutas da estação. Entre os pratos mais famosos:

20180129_033548.jpg

LINDO DE QUALQUER ÂNGULO – TAJ MAHAL, AGRA, ÍNDIA

*Peça seu prato com o mínimo de pimenta possível ou sem pimenta. Isso porque, mesmo assim, sua comida chegará apimentada, mas suportável.

*Diante dos inegáveis problemas sanitários e higiênicos indianos, compre apenas garrafas de água lacradas e conhecidas. Evite beber em copos com gelo e escolha restaurantes com uma apresentação cuidadosa. Isso reduz bastante (não elimina) o risco de problemas intestinais. Não se esqueça de levar também algum remédio para recuperar sua flora intestinal (comemos comida típica e não tivemos problemas, mas muita gente que viaja lá não tem essa sorte).

20180129_063642.jpg

FORTE DE AGRA – ÍNDIA

 

RESTAURANTES
  • Peshawri (um dos mais famosos e elogiados restaurantes indianos; fica no hotel ITC Mughal; encontre a localização aqui);
  • MoMo Cafe (ambiente bonito – principalmente à noite – e comida indiana elogiada, com opções tradicionais da culinária internacional; fica no hotel Courtyard by Marriott; encontre a localização aqui);
  • Bellevue (belíssimo restaurante, com comidas de apresentação excelente; localizado no Hotel Oberoi Amarvilas; encontre a localização aqui);
IMG_20180129_073538024.jpg

DETALHES DO TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

  • Good Vibes Cafe (apesar do ambiente ser muito simples, é considerado o melhor restaurante da cidade para o Tripadvisor; encontre a localização aqui);
  • Tea’se Me (ideal para quem gosta de chá e comidas leves; lugar agradável para passar a noite; fica no terraço do Hotel Mhouse; encontre a localização aqui);
  • Green Park Restaurant (comida indiana com apresentação simples, mas considerada entre as melhores de Agra; encontre a localização aqui);
  • The Chef’s Club (boa estrutura e pratos típicos bonitos; encontre a localização aqui);
  • Bamboo Cafe (comida caseira barata; encontre a localização aqui);
  • Bob Marley Restaurant (um dos mais famosos de Agra; ambiente simples e colorido, que serve de ponto de encontro de vários mochileiros; encontre a localização aqui);
  • Pind Balluchi (serve comida típica do norte da Índia, em pratos de boa apresentação, com ambiente mais bonito que a média; encontre a localização aqui).

*Se sua praia não for comida indiana ou se quiser dar uma variada voltando ao bom e velho fast food, fique tranquilo! Nas ruas principais do centro (The Mall Road, Taj Road e Fatehabad Road) você encontra Pizza Hut, KFC, Burger King, Costa Coffee,entre outros.

20180129_032814.jpg

COMPRAS

Nas ruas Fatehabad Road, The Mall Road, Taj Road e Shamshabad Road você encontra lojas com aparência simples, mas com um acervo de produtos excelentes (muitos lindos móveis em mármore e madeira, além de panos, xales, pashminas, tapetes, gemas e joias preciosas e semipreciosas) a bons preços.

Entre as várias opções que você vai encontrar nas mencionadas ruas, reserve um tempo para visitar a enorme loja Kalakriti, com diversos produtos ricamente decorados e que podem ser entregues no Brasil.

Mais algumas boas alternativas: Taj Gallery (fica no hotel Taj Resorts; encontre a localização aqui); Marble Handicrafts Agra (encontre a localização aqui), Mughal Carpet (encontre a localização aqui), The Warehouse of Gifts & Souvenirs (encontre a localização aqui), Zainub Export (encontre a localização aqui) e Nakkashi Gems & Handicrafts (encontre a localização aqui).

Se tiver pouquíssimo tempo em Agra e quiser levar alguma lembrança de lá, há vários quiosques ao longo da avenida de acesso ao Taj Mahal. Não compre nada de primeira; pechinche!

20180129_043257.jpg

ARCOS DETALHADOS NO COMPLEXO DO TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

VIDA NOTURNA

A Índia não é especialmente conhecida pelas baladas e agito durante a noite. A única alternativa bacana que encontramos para quem gosta de festas até tarde em Agra foi a Thor The Party World (encontre a localização aqui).

Para quem não quer ficar no quarto de hotel nesse período, sugerimos também jantares com danças folclóricas que costumam acontecer nos restaurantes, cafés e terraços dos grandes hotéis da cidade (Oberoi, Courtyard by Marriott, ITC Mughal).

Confira também nesse link os festivais e feiras artesanais que rolam durante o ano em Agra. Se quiser saber a agenda das festas típicas que acontecem no país, clique aqui.

NOSSA EXPERIÊNCIA

Fizemos um bate-volta à Agra saindo de Delhi no final de janeiro de 2018. Após muita pesquisa de preço, contratamos dois meses antes da viagem os serviços da Samar Tours. Não poderíamos ter escolhido melhor. Conversávamos pelo whatsapp com o guia Ajay, que nos respondia rapidamente a qualquer tipo de dúvida e explicava todas as etapas incluídas na excursão, flexibilizando ao nosso gosto.

Para se ter uma ideia de como eles eram flexíveis e prestativos, alteramos nosso horário de início do passeio na noite anterior ao dia combinado, em virtude da forte névoa/neblina na região que impediria nosso plano inicial de ver o Taj Mahal no nascer do sol.

IMG_20180129_075111858.jpg

REALIZANDO UM SONHO – TAJ MAHAL, AGRA, ÍNDIA

Nosso motorista (o educado e atencioso Mahendra) nos buscou pontualmente no hotel em Delhi às 6h da manhã. O carro era só tinha nós 2 de passageiros (não era um grupo de turistas) e o trajeto foi muito tranquilo, pela ótima rodovia Yamuna Express Highway (um tapete, muito melhor que as estradas no Brasil). Chegamos em Agra às 9h15/9h30 e o motorista parou para buscar o guia Ajay, que tomou conta de nós por todo o resto do passeio.

Primeiro nos levou até o estacionamento, de onde subimos no ônibus especial para o Taj Mahal, pagando nossa passagem. Quando chegamos na entrada do Taj Mahal, ele foi para a fila e pagou nossos ingressos com o dinheiro que havíamos entregue. Em seguida, nos deu rápidas explicações sobre a história da construção do mais famoso mausoléu do mundo e nos deixou livres para tirar as primeiras centenas de fotos.

IMG_20180129_064650658.jpg

LOCAL DE PAGAMENTO DA ENTRADA PARA O TAJ MAHAL

Quando vimos o Taj Mahal ficamos impressionados, arrepiados e emocionados com o tamanho e a beleza dele. É muito maior e mais lindo do que todas as nossas expectativas e que todas as fotos que já tínhamos visto. Comparável apenas no ranking de monumentos com a Torre Eiffel. Foi o cenário mais bonito que vimos nos nossos poucos dias na Índia.

A riqueza de detalhes, o simbolismo de todas as inscrições em alto-relevo, a harmonia da cúpula, mineretes, portais, jardins e edifícios secundários são absurdos, extraordinários. A energia que vem daquele lugar é maravilhosa, mesmo com tanta gente se espremendo para achar o melhor ângulo das fotos. A densa neblina que encaramos e nos assustava durante a rodovia sumiu quando chegamos no Taj Mahal, só sobrando o belo dia de sol e a temperatura excelente (cerca de 18º a 20ºC) que fazia no inverno. Não tinha como ser melhor do que aquilo.

20180129_044117.jpg

PRESTES A ENTRAR NO TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

O guia depois nos levou até o interior do mausoléu (tem que tirar os calçados antes de entrar), onde vimos o cenotáfio/túmulo de Mumtaz Mahal e de Shah Jahan. Apesar de todo o romantismo que aquele local evoca, ele é muito mais simples e sem grandes atrativos do que toda a fachada externa do mausoléu (cheio de pedras preciosas coladas em diferentes formatos e cores, bem como desenhos de flores em alto-relevo, e fios de ouro costurados na cúpula). Em seguida, ele nos deixou à vontade novamente e tiramos mais algumas centenas de fotos, principalmente do reflexo do Taj Mahal no espelho d’água.

Ficamos cerca de 2h30/3h no complexo do Taj Mahal e deu para ver o que mais queríamos, tirando várias fotos e parando por bons momentos só para olhar. Você pode pedir para ficar mais tempo ao seu guia, mas terá que abrir mão do tempo restante em outra atração da cidade.

O guia evitou vários pedidos de dinheiro e várias tentativas de vendas de produtos na saída do Taj Mahal (ele falou que os pedintes e vendedores de lá são mais espertos e oferecem itens de má qualidade). Voltamos no ônibus que faz o deslocamento até o estacionamento e de lá seguimos com o motorista Mahendra até uma loja que mostrava o preparo de móveis em mármore e o trabalho de petre dure, com a colagem minuciosa de pedras semipreciosas lindíssimas na superfície de mármore branco dos móveis. Em outro ambiente dessa mesma loja, o vendedor nos mostrou vários tecidos lindos preparados a mão pelas costureiras locais. Era cada pashmina, xale e lenço mais bonito que o outro. Difícil sair de lá sem comprar.

IMG_20180129_100214767.jpg

DENTRO DO FORTE DE AGRA – ÍNDIA

Depois disso fomos ao surpreendente Forte de Agra (nosso guia da Samar Tours nos pediu o valor do ingresso e pagou nossa entrada). Embora não chegue perto da imponência e beleza do Taj Mahal, é um ponto turístico que merece muito mais destaque do que o atribuído em outras publicações sobre a cidade. É um lugar lindo, com vários ambientes e construções avermelhadas e fundamental para a história de Agra – muito mais antigo que o famoso mausoléu de mármore branco -, onde viveram os mais famosos imperadores mogol/mughal que fizeram da cidade a capital da Índia por alguns séculos e onde o Shah Jahan ficou preso nos seus últimos anos por ordem de seu filho.

Ficamos cerca de 1h30 no Forte de Agra, de onde saímos com o motorista e fomos até outra loja, desta vez voltada para a venda de acessórias com joias e gemas de lápis-lazúli, jade, safira, ônix e outros minérios de todas as cores bonitas possíveis. Lá também foram mostradas belas tapeçarias.

IMG_20180129_065747052.jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

Depois disso, o motorista deixou nosso guia e nos levou até o parque Mehtab Bagh. Até então o caminho entre os pontos turísticos de Agra mostravam a esperada bagunça do trânsito, com vacas, rickshaws, tuk tuks e buzinas para todos os lados, além das más instalações de lojas e restaurantes que já havíamos sido apresentados em bairros de Delhi, com uma pegada mais rural, interiorana. Todavia, o trajeto entre o centro de Agra até o mencionado parque passa por trechos de uma pobreza e de uma infraestrutura decadente que não fazíamos ideia que existia no mundo.

Esse caminho foi a maior definição de abandono governamental, desapego às coisas materiais e lei da sobrevivência que já vimos até hoje. São macacos comendo alimentos estragados, circulando por muros de prédios mantidos só no tijolo; feirantes maltrapilhos, pessoas comendo agachadas ao lado do lixo e entulho espalhados em todos os lugares, crianças brincando ao lado do esgoto a céu aberto com qualquer coisa que acham por perto, mulheres lavando roupas no Rio Yamuna, perto de porcos que tomam banho junto com crianças, entre tantas outras imagens que não saem da cabeça. É surreal, inacreditável. Verdadeira experiência sociológica que tem que ser vista por todos.

IMG_20180129_095015729.jpg

PORTAL AMAR SINGH – FORTE DE AGRA, ÍNDIA

O parque Mehtab Bagh em si rende uma bonita vista para o Taj Mahal com o Rio Yamuna na frente, mas não é imperdível. Nele não há muitas flores, as árvores são baixas e os espaços de convivência não oferecem grandes atrativos turísticos, mas o trajeto até lá vale a pena ser conhecido, por tanto paradigma que ajuda a gente a quebrar e respeitar ainda mais aquele povo que, mesmo diante de tantas adversidades, mantém o sorriso no rosto e fica super feliz com um turista que lhe dá atenção.

Após a rápida visita ao parque, voltamos para Delhi pela Yamuna Express Highway, com parada em um posto de gasolina com uma grande loja de conveniência. Perto de Delhi encaramos um trânsito gigantesco, e só chegamos no hotel 1h30 depois de entrar na cidade.

Todos os aplausos e elogios para o Taj Mahal e sua mística são poucos. Mesmo que você torça o nariz quando pensa na pobreza extrema que vai encontrar, não deixe de ir a Agra. É inesquecível em todos os aspectos.

Também cabe reforçar a ajuda imensa dos profissionais da Samar Tours. Recomendamos fortemente por tornar nosso dia em Agra muito mais fácil, agradável e didático, sem nos dar qualquer preocupação e nos deixando suficientemente livres para curtir o que mais queríamos conhecer.

IMG_20180129_080215359_BURST000_COVER.jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

Sugestão de roteiro: caso você não contrate a Samar Tours ou outra empresa que forneça a excursão para lá, chegue cedo e priorize o tempo de melhor visibilidade ao Taj Mahal. Assim, se houver forte névoa, deixe para ver o mausoléu de mármore branco perto do meio dia, quando a temperatura mais forte tende a aliviar ou dissipar a neblina. Se o tempo estiver limpo desde as primeiras horas da manhã, corra para ver o nascer do sol no Taj. No restante do dia, caminhe pelo centro para sentir as nuances da cidade (fique de olho nos seus pertences; não dê bobeira; apesar de Agra ser muito mais segura do que quase todas as capitais brasileiras, é o local que mora muita gente sem recursos que sabe do dinheiro que turistas costumam levar pra lá) e visite o Forte de Agra.

Se chegar no meio da tarde, faça o possível para ver o por do sol no Taj Mahal, escolha um bom hotel para passar suas diárias na cidade (dicas na seção “Hospedagem”) e tente visitar o Itmad-ud Daula e a cidade de Fatehpur Sikri. Com mais dias ainda, procure passar o dia em Jaipur (caso você não tenha previsto dormir nesta famosa cidade de edifícios cor-de-rosa, a maior do Rajastão).

20180129_080329.jpg

INESQUECÍVEL AGRA – ÍNDIA

DICAS

⇒ O Taj Mahal não abre às sextas-feiras. Guarde essa informação para montar seu roteiro antes de comprar as passagens.

⇒ Se você não quer stress e tem pouco tempo na Índia, contrate um transfer para ir a Agra. Reiteramos nossa recomendação da Samar Tours (whatsapp do guia Ajay, que vai mandar todos os detalhes dos serviços e itinerário do passeio: +919027792159). Foi a melhor decisão que tomamos. Tornou nossa vida muito mais fácil e a experiência no Taj Mahal ainda mais completa, com todas as informações mais relevantes contadas por quem é da região.

⇒ Visite a Índia fora do período das monções. Prefira ir a Agra em novembro, abril ou maio, por ter um risco menor de neblina e chuvas, sendo os melhores meses para ver o nascer do sol no Taj Mahal. Se for no inverno (final de dezembro, janeiro, fevereiro e março), leve uma roupa de frio, já que a temperatura mínima fica abaixo dos 10ºC.

⇒ Fique de olho no calendário lunar na época que você viajar para a Índia! Isso porque o Taj Mahal abre para visitas em noites de lua cheia, em um espetáculo noturno extraordinário.

⇒ Se você só pretende ir a Agra para conhecer o Taj Mahal, não precisa dormir na cidade. Basta chegar logo cedo. Se preferir dormir por lá, confira as sugestões de hotéis na seção “Hospedagem”.

IMG_20180129_065010869.jpg

PORTAL DE ENTRADA PARA O TAJ MAHAL

⇒ Evite consumir bebidas com gelo ou não lacradas. Para não ter problemas de saúde, prefira se alimentar em restaurantes com boa apresentação, seja nos melhores hotéis da cidade (servem pratos típicos e internacionais) ou nas redes de fast food entre as ruas The Mall Road, Taj Road e Fatehabad Road. Leve remédios que reparem a flora intestinal, como o Floratil e consuma probióticos (Yakult e coalhada, por exemplo) uma semana antes de ir pra Índia.

⇒ Compre um chip SIM para ter acesso a Internet a qualquer hora na cidade. Ele é muito útil para você ter acesso a mapas, endereços e para postar suas fotos.

⇒ Antes de viajar, marque os pontos turísticos principais (algumas sugestões estão na seção “O que conhecer”) no Google Maps, que funciona off-line, reduzindo bastante o risco de se perder.

⇒ Para não correr o risco de ficar sem fotos, leve um adaptador universal para tomadas. O padrão lá é do tipo D, com três pinos redondos, sendo 2 paralelos e 1 mais abaixo ou acima. A voltagem é 220v. Confira imagens de todos os tipos de tomadas neste link.

 ⇒ Filmes para entrar no clima da viagem: Gandhi; Quem quer ser um milionário.

20180129_072729.jpg

PELAS RUAS DE AGRA – ÍNDIA

CURIOSIDADES

Agra tem mais de um milhão e quatrocentos mil habitantes.

→ Foi capital do império mughal a partir do governo de Akbar, em 1556.

→ O Taj Mahal foi incluída na lista nas Sete Maravilhas do Mundo Moderno, em 2007.

→ O Taj Mahal foi construído entre 1632 e 1653 pela força de 20 mil homens. É um mausoléu erguido como promessa do imperador Shah Jahan em memória da sua esposa preferida, Mumtaz Mahal, que morreu ao dar à luz seu 14º filho.

20180129_035422.jpg

“SEJE MENAS”, TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

→ Durante a II Guerra Mundial foi construído um enorme andaime sobre a cúpula do Taj Mahal prevendo um ataque da força aérea nazista e japonesa, que não aconteceu.

→ O cenotáfio/túmulo de Shah Jahan é a única parte assimétrica do Taj Mahal.

→ Há várias lendas em torno do Taj Mahal: uma delas diz que Shah Jahan teria determinado a construção do Tag Negro, que seria seu mausoléu todo feito em mármore preto, erguido na outra margem do Rio Yamuna, de frente para o Taj Mahal (não há provas de que isso seria verdade). Outra lenda é a de que os trabalhadores que ajudaram a construir o Taj Mahal teriam sido mutilados para não repetir aquela beleza em outras obras. Por fim, citamos a lenda de que, durante a colonização inglesa na Índia, o Lorde William Bentick teria planejado demolir o Taj Mahal para vender o mármore (isso também não é comprovado, mas é certo que havia muita negligência e falta de cuidado com o monumento antes da gestão assumida pelo Lorde Curzon).

 → De acordo com o Wikipédia, o Forte de Agra (também tombado como patrimônio da humanidade) é a mais importante fortificação da Índia. Foi residência de vários imperadores e nele você encontra o recinto que serviu de prisão onde Shah Jahan passou os últimos anos de sua vida, enquanto avistava o Taj Mahal.

IMG_20180129_064946371_BURST001.jpg

CHEGANDO NO TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

SEGURO VIAGEM

 

Para viajar tranquilo, só curtindo as paisagens e desfrutando de todos os pontos turísticos e passeios, recomendamos o conforto (a preços justos) do seguro viagem pela empresa Real Seguro. Ela indica a seguradora mais confiável e adequada – muitas vezes a mais barata – para a cobertura dos sinistros que você quer evitar. Confira!

IMG_20180129_075350267

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

IMG_20180129_075541272

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

20180129_030341.jpg

TAJ MAHAL – AGRA, ÍNDIA

 

 

⇒Gostou do blog? Clique AQUI e siga nossa fanpage do Facebook!

 

 

4 comentários sobre “AGRA

  1. Herculano disse:

    Não há palavras pra descrever tantas belezas apresentadas. Taj Mahal um dos monumentos mais espetaculares da Terra, simplesmente supera as expectativas, mas ainda com o relato descrito.
    Parabéns!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s