CAMPOS DO JORDÃO

A cidade mais alta do Brasil, a poucas horas de carro da capital paulista, não é apenas um ótimo retiro para o inverno, oferecendo atrações tanto para os que apaixonados pelo campo, montanha, esportes radicais em contato com a natureza, quanto aos que desejam apenas um tranquilo passeio pelas charmosas casas em estilo alemão (enxaimel) do seu centro.

Apesar da fama, ainda há falhas na divulgação do turismo local. Os panfletos com mapas e pontos turísticos estão ultrapassados ou são “chapa branca”, muitas vezes exagerando nos elogios às atrações. Mesmo com essas considerações, a cidade é uma deliciosa opção para o fim de semana ou quem dispõe de um feriado prolongado sem pressa. Continuar lendo

CINGAPURA

Cingapura (ou Singapura, na versão internacional) impressiona pela organização, limpeza, beleza, arquitetura e planejamento, além da diversidade da população que a habita (chineses, malaios, executivos ocidentais – um verdadeiro caldeirão cultural, em que todos coexistem com incrível respeito e tolerância).

Um lugar que, se você descumprir as regras, sofre multas de alto valor (moradores e turistas cumprem à risca para evitar transtornos). Um lugar riquíssimo – é um dos Tigres Asiáticos -, e que choca o turista pela infraestrutura impecável. Não é exagero dizer: trata-se de um local onde TUDO funciona!

É uma cidade-estado, assim como Mônaco e o Vaticano (no mundo, só existem essas três). Localiza-se no Sudeste Asiático e é uma ótima escolha caso esteja indo para a região e queira mesclar templos e praias com modernidade e luxo. Continuar lendo

VIENA

Cidade das óperas, igrejas, jardins, museus e palácios grandiosos. Viena é espetacular. Conserva com orgulho um centro histórico e arquitetônico impressionante (Ringstrasse), erguido sobretudo na época da dinastia Habsburgo (famosa pela imperatriz Sissi, com comentários mais a frente).

Impossível ignorar sua elegância, evidenciada também através das charretes que circulam pela sua qualificadíssima parte turística, pelas construções de fachadas preservadas, pelo rio Danúbio que a atravessa, pelos charmosos cafés nas suas ruas e pela impressionante riqueza musical clássica que a envaidece com justiça: a capital austríaca foi celeiro e palco de concertos de Mozart, Strauss, Haydn, Beethoven (alemão que aprendeu e exerceu boa parte de sua formação erudita em Viena), e ainda hoje é caracterizada por ter suas óperas e sinfonias entre os espetáculos mais populares e concorridos da cidade.

E não é só isso: Viena – terra onde estudou e viveu Freud e onde nasceu Gustav Klimt – é  servida por uma excelente infraestrutura, com destaque para a sua rede de metrô eficiente e fácil, povo instruído e solícito (boa parte também fala inglês) e uma das maiores qualidades de vida mundial. É um dos lugares que, sem dúvidas,  não dá vontade de deixar.

Continuar lendo